Mais a visão se aprofunda,
mais estrelas se percebem,
na escuridão...

4 de dezembro de 2015

A forma de expressão* e a qualidade do pensamento


Presença da linguagem

A linguagem verbal ou escrita, mais do que ferramenta de expressão, constitui elemento essencial do processo cognitivo (aquisição, assimilação, registro, processamento e elaboração da informação), parte relevante dos mecanismos de formulação e organização do pensamento.

Embora existam pessoas que assimilem e processem de forma predominantemente visual a maior parte das informações, deve-se considerar que, em algum momento, para levar utilidade à sociedade, o produto dessas informações precisará ser comunicado através de linguagem verbal e/ou escrita (exceto evidentemente no caso das artes visuais essencialmente puras).

O uso correto do idioma, em especial o nativo, é a base para o aprendizado em geral (ressalva feita aos casos, ainda mal compreendidos, de pessoas que detêm capacidades extraordinárias, em áreas de conhecimento que sequer estudaram a fundo).

Ainda que o aprendizado de um novo idioma possa também ser realizado "por imersão plena", sem recorrer diretamente ao idioma nativo, certamente a "mecânica do pensamento", fundamental para qualquer forma de aprendizado, já estará estabelecida sobre uma base de idioma nativo.

A Matemática, por exemplo, conduz boa parte do seu "fraseado lógico", através de uma coleção de operadores e outros elementos simbólicos, cujas conotações são essencialmente lingüísticas:

= igual a
≠ diferente de
> maior que
≥ maior ou igual a
< menor que
≤ menor ou igual a
idêntico a
tende a
∞ infinito
Þ implica em
\ portanto
Ç interseção
È união
Ì contém
Ë não contém
Î pertence a
Ï não pertence a











Quando um estudante de matemática utiliza estes símbolos, em verdade está trazendo para o contexto da matemática os conceitos já existentes no seu universo lingüístico.
Evidentemente, o exemplo acima tem de ser limitado, face à infinidade de outros conceitos matemáticos essencialmente abstratos e complexos.


Pequenos erros supervalorizados

Infelizmente, não é raro presenciarmos profissionais qualificados cometendo erros pretensamente imperdoáveis, tais como: "houveram dificuldades", "a nível de", "a maioria são", "fazem 2 anos", "menas receita" etc.

Historicamente, este problema remonta às mudanças que afetaram a sociedade brasileira, particularmente a partir da década de 60, passando pela contínua decadência da educação formal e resultando na situação atual, constatada mesmo nos segmentos populacionais com nível educacional mais elevado.

Embora um agregado variável de tais deficiências inclua democraticamente um expressivo percentual de estudantes, pesquisadores, professores, artistas, escritores, jornalistas etc., focalizaremos este texto na entidade genérica do "profissional qualificado".

Apesar do aspecto pitoresco e do eventual prejuízo à imagem profissional de quem os comete, tais erros denotam, principalmente, o mero desconhecimento de algumas regras, ou dos significados e usos corretos de certos termos e expressões, problema que se resolve facilmente por diversos caminhos; por exemplo, pela prática sistemática da boa leitura.

Assim, imaginemos um trabalho profissional contendo erros desta natureza (algo que um bom revisor resolveria sem interferir na estrutura do texto).

Se o texto for globalmente bem elaborado, conciso, de elevado valor para o seu público-alvo, por que supervalorizar erros desta natureza? 


A forma de expressão* reflete a qualidade do pensamento

Expressar-se verbalmente (ou por escrito) através do uso impreciso das palavras, cometendo erros graves* de concisão, de lógica, de concordância, de regência verbal e nominal, demonstrando pouco esmero na construção e organização das frases, denota não apenas o desconhecimento do idioma utilizado, mas também um aspecto revelador da qualidade do pensamento, afetando invariavelmente a qualidade do trabalho para o qual o profissional estaria qualificado.

*Consideremos como erros graves aqueles que ocasionem dubiedade (ou mesmo impossibilidade) de entendimento claro do que se pretende comunicar.

Nesta acepção, a qualidade do pensamento (aparente na linguagem) não concerne a classificar as pessoas quanto às suas capacidades intelectuais. (A propósito, existiriam formas válidas e inquestionáveis para mensuração de tais atributos?).

Qualidade do pensamento é algo que transparece na precisão e na fluidez do texto, evidenciando o trabalho intelectual aplicado a encadear o raciocínio de forma concisa, lógica, organizada, com o objetivo de transmitir uma mensagem clara ao público-alvo.

Tal cuidado no trabalho intelectual demonstra, de certa forma, uma elevada consideração pelo público-alvo. Por outro lado, a ausência desse cuidado demonstra desconsideração (ou, talvez, incapacidade).

Neste aspecto, a facilidade de entendimento pelo receptor da mensagem deve sempre estar acima das facilidades e conveniências para o emissor da mensagem.

Não basta ser capaz de realizar desde tarefas simples, até façanhas de engenharia, ciência da computação, economia e finanças, biociências, marketing, sociologia etc.

Para que tais realizações alcancem utilidade máxima, é preciso ser capaz de reportá-las, comunicá-las (verbalmente ou por escrito) com clareza e precisão.

De outra forma, será desperdiçada boa parte do talento que as produziu. 


Um exemplo

Neste exemplo, observamos erros de regência, concordância e pontuação, em combinação com descaso na construção e organização das frases, demonstrando o quanto o entendimento de informações importantes pode ser comprometido.

"Nosso estudo revelou que 95% dos pacientes, que foram divididos em dois grupos homogêneos de faixas etárias e por sexo, acima de 50 anos, submetidos ao tratamento A, foram considerados imunes após 3 meses de uso do medicamento, enquanto que aqueles submetidos ao mesmo tratamento mas com idade inferior foram necessários 2 meses de tratamento para atingir 85%."

O texto acima, bastante similar a outros que tenho recebido para revisão ou tradução, contém informações relevantes sobre determinado estudo clínico.

Com algum esforço, podemos reorganizar as informações e reescrevê-lo de forma clara e precisa:

"Os pacientes foram divididos em dois grupos homogêneos quanto às faixas etárias e ao sexo.
Nosso estudo revelou que 95% dos pacientes com idade superior a 50 anos, submetidos ao tratamento A, foram considerados imunes após 3 meses de uso do medicamento.
Constatamos também que 85% dos pacientes com idade inferior a 50 anos, submetidos ao mesmo tratamento, foram considerados imunes após 2 meses de uso do medicamento."

Percebe-se, o autor do texto detém conhecimento a respeito do tema.
Entretanto, a partir da forma pela qual expressou e registrou os resultados do seu trabalho, o que se pode inferir sobre a qualidade do seu pensamento?

Podemos assumir que esse profissional leu o seu texto, colocando-se na posição de receptor da mensagem?


Clareza e Precisão
Menos é melhor
Menos é mais difícil do que muito

Vocabulário é apenas um conjunto de elementos, uma coleção de blocos da construção.

Ortografia, gramática, sintaxe, regência, mais do que regras rígidas a serem observadas por questões estéticas, são diretrizes valiosas para a construção da mensagem clara e precisa.

Comunicar todo o necessário, somente o necessário, de forma clara e precisa, requer disposição para ler e reler criticamente aquilo que se escreve, encontrar os melhores termos, reorganizar sentenças, eliminar prolixidade e redundâncias, colocar-se na posição do receptor da mensagem.

E estes conceitos podem também ser aplicados, analogamente, à comunicação verbal.


A qualidade e o diferencial competitivo resultam da prática

O exercício de "lapidação" da mensagem (verbal ou escrita) movimenta e aprimora os mecanismos e processos intelectuais através dos quais elaboramos o conteúdo a ser comunicado.

Nos ambientes de comunicação atuais (corporativo, acadêmico, etc.), em que o trabalho colaborativo e a velocidade de geração e atualização da informação transcendem as barreiras geográficas e temporais, a comunicação clara e precisa constitui verdadeiro diferencial de competitividade profissional.


Orientações  

Ler bons textos e refletir sobre o processo de sua elaboração.

Perseguir continuamente o aprimoramento da forma de expressão*, verbal ou escrita.

Procurar elaborar as frases de maneira lógica e concisa.

Reler os próprios textos, com visão critica, objetivando utilizar as palavras de significados mais apropriados, bem como eliminar construções confusas, redundâncias, erros de lógica etc.

Imaginar-se, sempre, na posição de receptor da mensagem (verbal ou escrita).



* Forma de expressão = maneira pela qual nos expressamos


©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®
25.09.2009 - 01.12.2015