Mais a visão se aprofunda,
mais estrelas se percebem,
na escuridão...

4 de maio de 2013

Normalidade



Primeiro, um pouco de lógica fria sobre o famigerado conceito de normalidade, que significa simplesmente prevalência estatística, maior quantidade, e não necessariamente algo realmente melhor do que não-normalidade. 

Mesmo na natureza, a prevalência das espécies, em suas variantes mais bem sucedidas (logo tratadas por normais), não significa que estas sejam necessariamente "melhores" (lato sensu) do que as que sucumbem. São apenas mais bem preparadas para sobreviver às agruras.

Entre humanos, pertencer à normalidade geralmente induz àquele senso de manada, de modo que cada membro do grupo se sente mais forte e protegido, por compartilhar das características prevalentes nos demais membros.

Induz também a uma confortável sensação de segurança para assumir e afirmar que normalidade seja bom e que não-normalidade seja ruim, com direito à eventual prática de críticas e recriminações dirigidas aos "não-normais".

Para nós, rotulados "não-normais", o amor que dedicamos às pessoas (intenso, bem ao nosso modo) exige uma reciprocidade que se expressaria por consideração, a qual, por sua vez, se expressaria através da compreensão dos nossos valores de certo ou errado, justo ou injusto (e outros), aplicados a todas as nossas interações com o mundo dito normal.

Percorrendo o caminho inverso, quando nossas interações são vistas ou julgadas sem a aplicação desses valores (que para nós são absolutos, independem de opinião), sentimo-nos incompreendidos, desconsiderados, sem reciprocidade, sem amor. 

Enganos das pessoas "não-normais"

Até chegarmos à compreensão clara daquilo que somos, tendemos a assentir quando nos dizem que são intensos e exagerados os nossos modos de receber, realizar, sentir e reagir em nossas interações com as pessoas assumidamente "normais".

Mas, ao assentir, implicitamente aceitamos a pecha de vilões, monstros, remoedores, criaturas cruéis, esquisitas perante os inocentes "normais".

Em relacionamentos sérios, passamos a estar em débito com eles, não importa o que façamos, nem o quanto, nem o quão bem façamos.

No mínimo, nada será o suficiente, porque nossa necessidade de fazer somente o melhor se contrapõe à "autoindulgência normal" e à "necessidade normal" de autoafirmação.

Via de regra, passamos a ser os problemas que os "normais" magnanimamente acolheram nas suas vidas de merda, sem perceberem o quanto mais elas federiam, não fossem as nossas humildes e malfadadas presenças e esforços na direção de lhes propiciar alguma evolução ao menos em termos de qualidade humana.

Muitas vezes, nossas próprias famílias nos apresentam ou entregam (aos magnânimos normais) como verdadeiros problemas dos quais se estão livrando.

Então, enquanto não adquirimos aquela autovisão clara, mas após longos períodos de conflitos, de situações não resolvidas, de mágoas e inconformismos guardados, geralmente aceitamos as culpas e os remorsos que nos impingem.
Não renegamos nosso modo de ver, sentir e ser, mas essa aceitação maltrata parte da nossa essência.

Por necessidade de viver uma vida minimamente suportável em meio aos "normais", tentamos ver a nós mesmos sob a ótica da normalidade, e passamos a tentar nos modificar, nos adaptar, criar interfaces aceitáveis para o mundo normal.

Este engano nos leva a atravessar longos períodos da vida, oscilando entre o crer que conseguimos nos modificar, e o constatar que "fracassamos" nessa tentativa.

A cada nova "derrota", voltamos com a nossa autoestima destroçada, encaramos as recriminações que garantidamente virão, e somos magnanimamente perdoados e aceitos pelos "normais" que nos "acolheram" em suas vidas.

Renascem as esperanças de finalmente lograr o entendimento justo, correto, decente, compadecido, a nos redimir de cada evento que nos esfarrapou por dentro.

Mas logo percebemos que seremos perdoados e aceitos sempre condicionalmente, ou seja, desde que tentemos "nos modificar", quem sabe até através de tratamento médico.

Eis minha melhor resposta a isto: à puta madre que os pariu!

Finalmente, se ainda não estivermos dopados, drogados, doentes, ou mortos, chegaremos ao entendimento cristalino daquilo que somos, daquilo que não somos, daquilo que nunca seremos.

Tristes corolários

Normais, não-normais, tanto faz...
Em essência, todas são pessoas boas.

Porém, jamais os seres humanos normais compreenderão ou aceitarão nossos modos intensos de receber, realizar, sentir e reagir em nossas interações com o mundo, independendo do quanto nos tenhamos violentado por toda uma vida, para tentar ser "normais".

Não existe como nos tornarmos "normais" sem deixarmos de ser quem somos.

O amor àqueles de quem esperávamos, um dia, uma percepção cristalina de quem somos... esse amor nos prende dolorosamente a cada evento que nos esfarrapou por dentro.

Deixar de sofrer e de fazer sofrer exige não sentir mais nada...

Isto não é um libelo... raras exceções existem...

abril - maio, 2013