Mais a visão se aprofunda,
mais estrelas se percebem,
na escuridão...

8 de junho de 2012

Cansado de tudo isto


Cansado das mesmas notícias, de hora em hora,
do pensamento latejante, sempre a consumir.

Cansado dos amigos de conveniência,
dos inimigos gratuitos,
dos dissimulados, furtivos,
dos doutores intitulados,
dos irados ante o que é certo,
dos que não se importam
com o que seja certo.

Cansado dos que não ouvem,
dos que ouvem sem querer entender,
dos que entendem, mas ignoram.

Cansado dos condescendentes,
dos auto-indulgentes,
dos narcisistas, autocêntricos,
dos egopatas insuportáveis,
dos que mentem e omitem,
dos que só desconfiam,
dos que prometem e não cumprem,
dos espertos compulsivos,
dos que pensam que nos enganam.

Cansado dos que não tentam,
dos que tentam pouco e desistem,
dos que fazem apenas o necessário,
dos incompetentes por escolha,
dos malditos indolentes.

Cansado do sucesso rápido que todos querem,
da truculência pelo querer ter, despudorada,
dos que não valorizam o que têm,
dos que tudo querem, sem contrapartida.
E querem! E querem! E querem!

Cansado das religiões usadas, encasteladas,
perpetuando dominação sobre ignorância prolífica.

Cansado da política podre, fétida, incurável,
comprando luxúria com a miséria
das vidas de milhões.

Cansado da falta de coragem,
da ética de interesses e palavras,
desalentadora, decepcionante.

Cansado de ver o triunfo
de palavras fúteis sobre atos verdadeiros,
de impaciência sobre perfeição,
de dinheiro sobre dignidade,
de aparência sobre conteúdo.
Empáfia e frivolidade!

Cansado da opressão
dos justos, crédulos, bem-intencionados,
dos fracos, indefesos, desprovidos,
dos diferentes, especiais, sencientes.

Cansado de humanas crueldades
hipocritamente exercidas,
toleradas, defendidas.

Muito cansado.

Original (compact version) - Tired of everything
Poets of the year compilation, B&N, Sept/25/2003
Português (versão completa), 10/jul/2005, rev. jan/2012