Mais a visão se aprofunda,
mais estrelas se percebem,
na escuridão...

5 de agosto de 2011

Transito



Transito pelas duras ruas da metrópole,
defensivamente obediente aos sinais
que me conduzem para onde querem,
através de espaços dominados pela ansiedade
individualista, despudorada, pública.

Distâncias, horários, caminhos, obstáculos,
veículos, ciclistas, ambulantes, pedintes,
buzinas, gritos, apitos, sirenes,
pássaros surdos, mudos,
petrificados nas árvores.
Só eu os vejo.

Calçadas repletas de corpos
vazios de pessoas ausentes,
paradas, aluadas, caminhando,
vagando desatentas ao real,
gesticulando para ninguém,
mergulhadas em seus portais-celulares,
conversando com mais pessoas
ausentes.
   
No gramado da praça,
um cão negro observa tudo calmamente.
Seus olhos encontram os meus e me seguem,
enquanto deixo sua compreensão inexpugnável
desaparecer no tempo do retrovisor.

Agenda faminta, inclemente,
saboreando minhas horas, minuto a minuto.
Meu dia passa, desiste, foge, fecha os olhos,
deixa que a noite venha sobre a cidade.

A iluminação das ruas, notívaga,
já pendura seus quadros voláteis,
cones pálidos de névoa amarelada,
onde golfadas poluentes desenham
frutos desta ameaçadora imaginação.

Faróis furiosos ocultando seus senhores,
solidificando vultos apressados,
que cruzam as ruas,
desaparecem nos bares,
nas travessas, nas calçadas,
no graffiti dos muros.

Chego desejando lavar os ecos do dia,
as pessoas ausentes, o vozerio longínquo,
os rumores de minha mente. 

No olhar dos meus cães,
a mesma compreensão inexpugnável me diz
que sou, estou, não mais transito.

junho/2011 
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®