Mais a visão se aprofunda,
mais estrelas se percebem,
na escuridão...

7 de agosto de 2011

Nau abandonada



Tudo sei desta jornada.
Avassaladoras noites percorridas,
lançando mensagens tecidas de coração e de mãos,
incompreensíveis.

Somente eu, minha lanterna
e a onipresente escuridão.
Dias desorientados de luz e névoa
e ideais, perseguidas miragens.

Nesta nau surrada pelo tempo,
sempre às turras com as ondas,
as pedras, as tempestades,
sem porto, sem norte, sem leme,
desisti de navegar.

Olhos calmos fechados,
minha nave abandonada,
livre do revoltado comando,
dos sentimentos açoitando o convés,
das inquietudes a rondar os porões,
livre dos pensamentos, velas tão rotas.

Minha nave à deriva,
cortejada agora pelos pássaros,
carregada pela branca espuma,
atravessada pelo vento,
como a respirar, livre,
finalmente.

18/08/2005 (versão)
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

(Este texto tem sua seqüência em Porto)

6 de agosto de 2011

El día que faltó



Pregunto a mi corazón, que tanto creía:
¿Por qué no tuvimos un día más?

A lo largo de mi eternidad,
siempre mi faltará ese día completo y dedicado a ti,
de proximidad, afecto y atención exclusiva.

¿Por qué no más un día
de levarte junto a mi pecho a caminar,
sentar a la sombra y recordar tus viejas historias
y una vez más pronunciar todas las palabras
que te hacían feliz?

¿Por qué no más un día
de mirar la puesta del sol y el anochecer,
de anidarte con canciones de cuna
y decir las promesas en que queríamos creer?

A lo largo de mi eternidad,
siempre mi faltará ese día para aceptar
la verdad del fondo de tus ojos,
un día lleno de serena despedida,
antes de adormecerte...

Y ahora, sólo puedo enviarte este día irreal,
hecho de mi corazón,
deseando que lo recibas
como se lo hubiéramos vivido.

17.01.2009 (original)
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

Aos Anjos que libertei (Ato de contrição)



Peço perdão pela fé ingênua,
por crer e fazer crer,
por não saber mudar o destino,
parar o tempo, tomar para mim
a dor que não soube aplacar.

Peço perdão pelo esforço
da felicidade simulada,
ante a fragilidade inocente,
e pelo amor que os manteve,
além do tempo, junto a mim.

Peço perdão por não esperar o milagre,
não haver adormecido ao seu lado,
no instante em que os libertei,
folhinhas ficando à margem
da correnteza que nos arrasta.

Peço perdão por só existir em meus sonhos
a casa em que hoje os recebo,
e por
levá-los ainda comigo,
pelas madrugadas, no coração.

17 de junho, 2009

©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

5 de agosto de 2011

Transito



Transito pelas duras ruas da metrópole,
defensivamente obediente aos sinais
que me conduzem para onde querem,
através de espaços dominados pela ansiedade
individualista, despudorada, pública.

Distâncias, horários, caminhos, obstáculos,
veículos, ciclistas, ambulantes, pedintes,
buzinas, gritos, apitos, sirenes,
pássaros surdos, mudos,
petrificados nas árvores.
Só eu os vejo.

Calçadas repletas de corpos
vazios de pessoas ausentes,
paradas, aluadas, caminhando,
vagando desatentas ao real,
gesticulando para ninguém,
mergulhadas em seus portais-celulares,
conversando com mais pessoas
ausentes.
   
No gramado da praça,
um cão negro observa tudo calmamente.
Seus olhos encontram os meus e me seguem,
enquanto deixo sua compreensão inexpugnável
desaparecer no tempo do retrovisor.

Agenda faminta, inclemente,
saboreando minhas horas, minuto a minuto.
Meu dia passa, desiste, foge, fecha os olhos,
deixa que a noite venha sobre a cidade.

A iluminação das ruas, notívaga,
já pendura seus quadros voláteis,
cones pálidos de névoa amarelada,
onde golfadas poluentes desenham
frutos desta ameaçadora imaginação.

Faróis furiosos ocultando seus senhores,
solidificando vultos apressados,
que cruzam as ruas,
desaparecem nos bares,
nas travessas, nas calçadas,
no graffiti dos muros.

Chego desejando lavar os ecos do dia,
as pessoas ausentes, o vozerio longínquo,
os rumores de minha mente. 

No olhar dos meus cães,
a mesma compreensão inexpugnável me diz
que sou, estou, não mais transito.

junho/2011 
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

Um dia de chuva



Final de tarde, chuva fina lá fora.
Na janela, quadro transparente e difuso,
fluem imagens eloquentes, silenciosas.

O vento e a água, salpicando brilhos
nas memórias distorcidas, redesenham no vidro
as histórias que já foram, ou seriam,
meu próprio reflexo no painel enevoado.

Somente a respiração se move,
os olhos viajam no tempo adormecido,
contemplando cenas mutantes, esmaecidas,
contraditoriamente vivas.

As primeiras luzes da rua despertam o tempo,
atravessam meu quadro ilusório, a penumbra,
devolvendo as histórias para dentro de mim.

Anoiteceu, chuva fina lá fora,
ninguém passando, partindo ou chegando,
nem eu, nem você, nem nós.

27.04.2011
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

3 de agosto de 2011

O dia que faltou



Pergunto ao meu coração, que tanto acreditava:
Por que não tivemos um dia mais?

Por toda a minha eternidade,
sempre me faltará esse dia completo e dedicado a ti,
de proximidade, afeto e atenção exclusiva.

Por que não um mais dia
de te levar junto ao meu peito a caminhar,
sentar à sombra e relembrar antigas histórias tuas,
e uma vez mais pronunciar todas palavras
que te faziam feliz?

Por que não mais um dia
de ver o sol poente e o anoitecer,
de te aconchegar com cantigas de ninar,
e dizer as promessas em que queríamos acreditar?

Por toda a minha eternidade,
sempre me faltará esse dia,
para aceitar a verdade do fundo dos teus olhos,
um dia pleno de serena despedida,
antes de te adormecer...

E agora, só posso te enviar este dia irreal,
recriado com o meu coração,
desejando que o recebas
como se o houvéssemos vivido.

17.01.2009 (versão)
©Alfredo Cyrino / Indigo Virgo®

Encontro perdido no tempo



O que te passou, minha mãe?
Que pensamentos teus nos visitaram,
na derradeira hora, instante exato
em que lembranças tuas, controversos sentimentos,
me chegaram?

Que chamado te adormeceu,
antes de vencermos as circunstâncias,
antes da condição perfeita que, imprevidente,
ainda esperava para te encontrar?

O que faço agora,
com esta percepção assustada de que não mais estás,
com os escritos que deixei de te mostrar,
as músicas que voltaria a tocar para ti,
os pequenos presentes que te preparei?

Tantas conversas curtas, esparsas, à distância,
lembranças hoje doloridas,
migalhas que te faziam tão feliz...

O que faço agora,
sem a tua preocupação eterna, 
as tuas orações por todos nós, 
as estórias tuas que deixei de ouvir?

Na memória cansada, mil vezes percorrida,
no turbilhão do tempo,
permanecem cravados os momentos metálicos
de perscrutar teus imensos olhos tranqüilos, cerrados,
a ignorar minha presença, há tanto ausente,
de deixar meu coração conversar com o teu,
tocar tuas mãos e fronte pela última vez,
e conduzir tua nave abandonada, envolta
em vestes singelas como foi tua vida.

Ah, que saudade não aplacada te deixei levar
e me deixei ficar,
por apenas mais um encontro
que não houve...

(In Memoriam - Odette Cyrino - 26.out.1930 – 08.fev.2009)

2 de agosto de 2011

Abandoned ship



From this journey, everything I know.
Traversed overpowering nights,
throwing messages woven from heart and hands,
incomprehensible.

Just me, my lantern
and the omnipresent darkness.
Disorientated days of light and mist
and ideals, pursued mirages.

On this ship beaten by the time,
always fighting the waves,
the rocks, the storms,
without harbor, without north, without rudder,
I gave up sailing.

Calm closed eyes,
my abandoned ship,
free from the rebel command,
the feelings whipping the deck,
the unquietness walking the holds,
free from thoughts, so tattered sails.

My drifting ship,
now greeted by birds,
carried by white froth,
crossed by wind,
like breathing, free,
at last.

18/08/2005 (original)

1 de agosto de 2011

Una valija ensangrentada


Una valija ensangrentada
les sea entregada todos los días.

Una valija de pánico insomne, inmensa y neurotizante,
que les persiga despiertos y en sueños,
transformando su hipocresía en el miedo de la locura.

Una rica valija decepcionante,
les sea entregada por debajo de las mesas,
disimuladamente apoyada en sus piernas de piel fría,
agarrada por sus manos ávidas y temblorosas,
pero siempre se estrellando y rompiendo en el suelo a su frente.

Una valija para el Presidente,
una para el Senador y otra para el Congresista.

Un valija para el Ministro,
una para el Magistrado y otra para el Alto Funcionario.
Una para cada seguidor complacido, cómplice, o negligente.

Para todos ustedes,
a cada día una valija llena de dinero y contratos,
involucrando cabezas y pechos perforados,
brazos y piernas depauperados, manos cerradas,
corazones destrozados por desaliento infinito
y miradas animales fijas, estáticas, telepáticas,
brotando de la indefensa carne torturada,
abusada, usurpada y devorada.

Una valija que se hará nocturna y llena de gritos,
poblada por mentes embotadas  y ojos perseguidores,
y bocas hambrientas, sedientas, con dientes podridos,
aliento fétido y lenguas que jamás dejarán de cobrar.

Una valija voluptuosa,
llena de tetas y culos y muslos y sexos de todas las edades,
robados, vendidos y violentados
y reprimidos a un rencor negro y profundo por sus martirizadores.

Para todos ustedes,
que se saben merecedores,
por lo que hicieron, no hicieron, o seguirán haciendo,
una valija de pensamientos adherentes, recurrentes,
murmurando incesantemente un mantra esquizofrénico y vengativo.

Una ya presente y eterna valija karmica,
ensangrentada de pérdidas oportunidades,
de creencias, valores y esperanzas de vidas destruidas,
haciendo miserables sus nocivas existencias.


19.09.2007 - reeditado 13.09.2008 (original)